REPERTÓRIO

ÀS MARGENS

1/15

FICHA TÉCNICA

Dramaturgia Coletiva

Supervisão Artística: Sidnei Cruz

Direção: André Luiz Dias

Direção de Movimento: Natália Chaves

Trilha e Efeitos Sonoros: Marcela Veiga e Vanessa Juliana

Iluminação: Márcia Neves

Cenografia/Cenotécnica: Vanessa Juliana e Allysson Wander

Concepção/Pesquisa de Figurino: Gabriela Pimenta e Allysson Wander

Videomaker/Projeção: Florisvaldo Júnior e Leonardo Cambui

Contribuição Dramatúrgica: Ana Luiza Libânio, Margot Souza, Vanessa Juliana, Seme Handeri

Consultoria Histórica: Dr. Márcio Achtschin Santos | Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM

Elenco: Amanda Chaves, André Luiz Dias, Araci Cachoeira, Luanna Aragão e Saulo Lauar.

Produção Executiva: Florisvaldo Junior

Consultoria de Produção: Bruny Murucci

Operação Técnica: Wan Douglas Gonçalves

Administração: Margot Souza

Projeto Gráfico: Vanessa Juliana

Fotografia e Vídeos: Florisvaldo Júnior

Classificação: 14 anos

Duração: 60 minutos


 

SINOPSE

 Com supervisão artística de Sidnei Cruz, dramaturgo e diretor teatral, idealizador do Palco Giratório/Sesc , o espetáculo tem dramaturgia coletiva e direção de André Luiz Dias. O Grupo In-Cena e o olhar estrangeiro do Sidnei Cruz, permite um mergulho/imersão profunda no momento social e político atual, o elenco caminha pelas estradas vermelhas dessa Minas tão Gerais, nas terras dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha, contando suas histórias e reativando memórias desse Brasil que é imenso e plural.

 Com trilha original ao vivo, ponto forte do espetáculo, “Às Margens” reúne várias linguagens artísticas, o teatro, o cinema, a dança, a percussão e a dramaturgia potente possibilita um espetáculo de multilinguagens. Esses recursos são utilizados para falar sobre o nosso tempo, a nossa gente! Do repique dos tambores e lamentos existentes e abafados dentro e fora das margens, de um povo que segue excluído! O espetáculo investiga de forma potente o povo Brasileiro, aborda comunidades tradicionais, povos quilombolas e indígenas e pontua um Brasil de gente plural, cuja voz do povo, cravado entre as montanhas das gerais, ganha som, cor e força para gritar (e silenciar) em tempos tão sombrios.

APRESENTAÇÃO

 Em comemoração aos 10 anos de trabalho, o espetáculo “Às Margens” nasce da inquietação do Grupo In-Cena de Teatro em (re)conhecer e (re)contar a história social e cultural do Vale do Mucuri. (Re)visitar a própria história foi um presente recebido e ofertado pelo grupo ao público. Situado na região nordeste de Minas Gerais, o Vale do Mucuri abrange 23 municípios e tem uma população de aproximadamente 438.257 habitantes, dos quais cerca de 34% vivem na área rural (BRASIL/MDA, 2017). De colonização europeia, marcada pela devastação predatória, com violento processo de etnocídio indígena e mascarada escravização de negros e pobres, atualmente, no território do Vale do Mucuri existem 26 Comunidades Remanescentes de Quilombolas - CRQ, terras indígenas dos povos Maxakali, Pataxó, Pankararu e Mokuriñ e 04 assentamentos da reforma agrária (EMATER/MG, 2014). É nesse caldeirão cultural que o Grupo In-Cena nasce e se torna o primeiro grupo profissional de teatro no território. À revelia da “história oficial” contada pelos brancos, europeus e poderosos, o grupo inicia em 2016 uma pesquisa histórica, sob consultoria do Historiador Dr. Marcio Achtschin e da Pesquisadora Dra. Vanessa Juliana da Silva, ambos docentes da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, a fim de (re)contar essa história sob o viés dos marginalizados na e pela dinâmica da formação social brasileira: os povos tradicionais indígenas e negros, as mulheres e os trabalhadores. Inicialmente denominado “Às Margens do Mucuri” – por tratar-se de proposta que privilegiava a história local –, no decorrer da pesquisa nos deparamos com documentos, relatos, experiências que diziam não apenas das vivências locais e apontavam para a (re)construção de uma narrativa histórica brasileira que ultrapassa as fronteiras do Vale do Mucuri. As histórias nas quais se fundamenta a dramaturgia foram vividas e (re)contadas no contexto do território. Entretanto, se assemelham a muitas outras histórias além-fronteiras, e são, de fato, fragmentos da história universal! Em vista disso, o espetáculo passou a se chamar “Às Margens”.  O elenco é composto por 02 atores, 02 atrizes e 02 musicistas do grupo In-Cena de Teatro, com participação da atriz convidada Araci Cachoeira, nascida no ano de 1953, em Águas Formosas, Vale do Mucuri, “mulher, que em meio aos conflitos e tradições familiares, negra, índia que se vinculou a movimentos sociais de luta pela terra, vem desempenhando uma tarefa que se constitui como uma artista militante, intelectual orgânica e autodidata” (SANTOS, 2014). Contribui para o processo de montagem o cineasta Florisvaldo Júnior, que desenvolve um trabalho de pesquisa junto às CRQ de Ouro Verde de Minas. Da viola ao tambor, das histórias ao clamor, na ruga da dona Maria que lava o pote de barro para aparar a água, que também é pouca, pelas estradas vermelhas dos lugares onde nascemos, aos homens e mulheres que hoje somos destaca-se a relevância cultural, artística e social dessa proposta.
 O olhar estrangeiro de Sidnei Cruz, diretor e dramaturgo, idealizador do projeto Palco Giratório/Sesc, é quem conduz e assina supervisão artística da nova montagem do In-Cena.